22 de maio de 2014

Definições

Eu estava pensando em algo que definisse a minha filha. Pensei no quanto de força de Deus eu recebo, e pensando comigo mesma afirmei dentro do meu coração que nasci pra cuidar dela. Por merecimento. Ela com toda certeza desse mundo é a pessoa mais linda que conheço depois de Deus. Ela é perfeita! E é engraçado como as pessoas olham tanto com imperfeição o fato de ela estar em uma cadeirinha. Por outro lado, ontem andando com ela no shopping, via as pessoas olhando e dizendo como ela é bonita, vaidosa, arrumadinha. Eu trato a minha filha da mesma forma que gostaria de ser cuidada. Talvez eu cuide melhor dela do que de mim mesma. Sei que ela entende perfeitamente o que faço por ela, e sempre recebo palavras de agradecimento como eu te amo, linda, e aquele olhar que só ela poderia me dar!
 Tem coisas que não tem sido fáceis. Mas eu procuro ser forte. Eu procuro não deixar ninguém perceber. Se eu estiver com vontade de chorar não deixo ninguém ver. Se algumas vez fiz, sem vergonha alguma fiz na frente dela. E ela me deu gestos tão sublimes que nenhuma pessoa que se julga " normal" daria. Isso eu tenho certeza. Nunca há um julgamento. Percebi inúmeras vezes o olhar dela preocupado, um carinho, um sorriso, um olhar respeitoso, uma mãozinha a me abraçar por inteira, que me dizia: Eu estou aqui mamãe! 
Quando eu digo que as coisas não tem sido fáceis, não é porque acho difícil ser a mãe dela. O difícil é a gente ir perdendo coisas em nós, difícil é abrir o coração em um mundo tão frio e não se sentir pisoteada. Difícil é sempre ser forte, ser tão humana. É lidar com descasos, humilhações. A gente vai levando da melhor forma possível. E quando uma mãe chora, as pessoas acham que ela não deva chorar. Eu simplesmente resolvo tudo que se precisa resolver, e deixo pra suspirar depois que já fiz. 
Por outro lado eu penso que ainda bem que apesar de passar tanta coisa, eu tenho a minha querida filha! Pra abraçar, pra beijar, pra cuidar, pra brincar, pra sonhar de ser criança outra vez! Se eu não a tivesse não teria a chance de sentir tudo isso. De viver as coisas e dar valor de uma forma tão bonita. Não me importo com as coisas, me importo com os sentimentos. As coisas vão, os sentimentos ficam mesmo quando vamos embora.

Não importa como eu esteja. Eu posso estar me sentindo o que for, achar o que for de mim mesma, a visão que ela tem sempre é a mais bonita. Ela não vê defeitos. Ela só vê amor. Ela só dá amor, gratidão. Esse respeito que ela olha é o mesmo que eu tenho por ela. De me ver como pessoa. Eu a vejo como pessoa. Temos sentimentos, somos iguais. As pessoas é que são deficientes. São deficientes de amor, de generosidade, de carinho, de solidariedade. 
A gente precisa constantemente sofrer metamorfoses. Algumas são doloridas. Outras necessárias. Não importa pra onde você vá, sempre carrega você junto. Com todas as alegrias, dores, inquietações. Mas por mais difícil que seja, e muitas vezes lidar conosco é travar uma batalha árdua e constante de superação de si, eu ainda me pego pensando que mesmo com tudo que já passei, que passo e que vou passar, eu tenho o privilégio de ter a minha filha comigo. E ter uma pessoa assim completa, é ter tudo. 
Adriana

Nenhum comentário:

Postar um comentário