1 de novembro de 2016

Só quem quase perdeu alguém que ama tanto e que é tão valioso sabe o que é ganhar


Me tornar mãe da Jaqueline me fez virar uma outra pessoa. E isso não foi do dia pra noite, e posso dizer que estou em constante transformação.

Não falo apenas da benção de tê-la como filha, não a classifico que por ser " diferente" ela é uma dádiva. Sempre reforço a pessoa que ela é independente de condição física, revelo minhas fragilidades, minhas limitações, minhas superações, dores e lágrimas. Talvez sabiamente ela passe por tudo de uma maneira mais branda porque não tem escolha, tem que ir e fazer e acabou. Nós temos que pensar por eles, ter uma dimensão maior do que está acontecendo.

Ser mãe da Jaqueline, uma adolescente de 17 anos, uma pessoa feliz, alegre, com temperamento forte, engraçada e determinada e tantas outras coisas é o que a define. 
Não começaria falando dela como a cadeirante.
Ter Deficiência Física é uma condição, e nós todos podemos passar por isso. A diferença é que mesmo com tudo que ela passou ela é quem é. Muitas pessoas tem uma dorzinha no dedo e fica reclamando ( até eu reclamo), e não somente ela mas como todas as Pessoas com Deficiência possuem as suas histórias extraordinárias.

Quando eu estava grávida eu sentia que ela não nasceria, e não sei explicar porque sentia isso. Quando ela estava nascendo e não ouvi o seu choro eu sabia que tinha algo errado. Quando eu a olhava eu sabia que ela estava diferente dos outros bebês. Ela foi desenganada! Ouvi médicos decretando a sua morte e eu sabia que era muito grave. Hoje ouço médicos dizendo que ela é um milagre e mesmo com todas as complicações que apareceram, ela não seria um terço do que é hoje!

Por isso, cada passo que eu dei, valeu a pena. Não fiz outra coisa a não ser correr com ela de médico em médico, entre tratamentos e medicações. Tive que bater o pé e insistir em fazer aquilo que precisava ser feito por falta de aceitação de alguns. Mesmo se ficasse como o médico me falou amaria da mesma forma... Incondicionalmente... Deus escolheu que ela ficasse, pois tanto eu como o pai dela precisávamos aprender a ser seus mediadores, ser pessoas melhores ainda, ajudar pessoas, espalhar o sentido do amor em alguns lugares mesmo que muitas não entendessem.

Mesmo entre lágrimas e feridas expostas de lutas, suor, impotência amamos ser seus pais. É a maior graça que Deus poderia nos conceder. Lutaremos sempre pra que continue a ser essa menina linda, inteligente e valente, mesmo que estejamos um caco... Vê-la inteira e intacta é um alívio!

Hoje, eu... mais madura, agradeço pela oportunidade de crescer. Hoje com mais cicatrizes é verdade... Mas eu prefiro ser quem sou hoje pois tive que passar por muita coisa, assim como ainda passamos juntos.
Nessa estrada da vida sempre serei aluna e tenho muito que aprender ainda, mas sou falha...Serei sempre mais feliz por aplaudir e agradecer todas as pessoas que apareceram em nosso caminho.... As boas... as más... todas nos ensinaram muito, e a falta de amor e compreensão nos fazem ser mais amorosos e compreensivos por mais irônico que isso pareça.

Muitas pessoas nos fizeram chorar, e por isso tomamos tanto cuidado pra não fazer o mesmo pois entendemos que quem fere é deficiente de amor e fazer como elas nos faria desaprender tudo aquilo que a nossa filha nos ensina todos os dias.
Nada é maior do que o Amor e Deus. Nada. Tento não cair todos os dias, pois sei que tem algo muito maior me sustentando... Tenho amores incondicionais também.... E isso me conforta pois sei que se eu cair, ela cai também e sofre então vou seguindo e colando meus cacos e me remendando.

Só quem quase perdeu alguém que ama tanto e que é tão valioso sabe o que é ganhar. Sua vida feliz é um presente que nos mostra que estamos fazendo a coisa certa.

Adriana Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário