10 de janeiro de 2017

Apenas amor...


Fui e sigo sendo uma mãe bem normalzinha. Que acerta, que erra, que faz o melhor que pode. Em comum com as supermães, apenas o amor, que é sempre inesgotável. Mas medalha de honra ao mérito, não sei se mereço. Não me julgo sacrificada e tampouco sublime.’
___________________ Crônicas de Martha Medeiros

Nenhum comentário:

Postar um comentário